Edição 1337 - Julho/Agosto de 2011

Em seus 45 anos de vida, o SLMG, nascido Suplemento Literário do "Minas Gerais" como caderno de literatura do jornal da Imprensa Oficial do Estado - passou por diversas etapas e fases. Tgendo surgido num período de exceção política e sempre animado pelo espírito libertário das artes, o SLMG sobreviveu à censura daquela época e às crises naturais de todo órgão vivo que se aventura pela criação artística e cultural. Criado por Murilo Rubião, nosso primeiro número veio á luz no dia 3 de setembro de 1966. A mudança de nome do jornal foi em consequência de sua adoção pela Secretaria de Estado da Cultura no final de 1994, com o objetivo de continuar seu destino, já então histórico, de manter viva parte da tradição literária que os mineiros ostentam deste tempos imemoriais, o que pode ser comprovado nos testemunhos de personalidades de destaque na vida cultural brasileira que mostramos neste número, além de depoimentos do jornalista e escritor Humberto Werneck, que participa desde o início d saga do SLMG, de Ângelo oswaldo, atual prefeito de Ouro Preto e responsável por uma das fases mais criativas do jornal, e da matéria elaborada pelo contista e romancista Luiz Vilela, que bem ilustra o espírito lúdico que sempre caracterizou nossa redação. E assim, dando continuidade a essa jornada, o presente número traz ainda uma entrevista que o poeta Francisco Alvim concedeu a João Pombo Barile, contos inéditos de Luis Giffoni e de Luiz Roberto Guedes, poemas de Guilherme Mansur e Antônio Barreto, uma resenha sobre o novo livro de Carlos Herculano Lopes, e Henri Michaux, traduzido por Ricardo Corona.